OPINIÃO: os jovens podem fazer a diferença na política?

A oxigenação na política, mais do que possível, é necessária. E ela só ocorrerá se eles, os jovens, absorverem esse protagonismo. 

Foto: Twitter/Política Jovem
Foto: Twitter/Política Jovem

O Blog Maricelio Almeida lança a seção "Opinião", com artigos e matérias mais analíticas, principalmente sobre o cenário político local e estadual. Acompanhe o nosso primeiro artigo:


Por Maricelio Almeida

Os números comprovam: a maioria dos candidatos às eleições gerais de 2018 possui entre 45 e 59 anos. No Rio Grande do Norte, os postulantes nessa faixa etária representam 43,94% do total de candidatos, enquanto aqueles com idade entre 21 e 34 anos somam apenas 13,48% das candidaturas.

Como se vê, ainda são poucos os jovens que investem na carreira política. Descrentes que podem fazer a diferença? Talvez. Assustados com o cenário atual, repleto de incertezas e obscuridades? Provavelmente. Mas a oxigenação na política, mais do que possível, é necessária. E ela só ocorrerá se eles, os jovens, absorverem esse protagonismo.

Tomemos como exemplo a candidatura a vice-governador de Kadu Ciarlini. Independente de posições ideológicas, partidárias, familiares. Kadu tem 33 anos e disputa pela primeira vez uma eleição. Atuou com destaque na campanha de sua mãe, a prefeita Rosalba Ciarlini, em 2016. Defende com entusiasmo o conceito da "smart city", ou cidade inteligente, que inclui projetos como o Ônibus Inteligente, Ouvidoria Digital e o aplicativo Cidade Iluminada. São ideias inovadoras, que não demandam gastos excessivos para serem efetivamente aplicadas.

Allyson Bezerra, mossoroense candidato a deputado estadual pelo Solidariedade, também tem levantado a bandeira da juventude na política, e apostado na onipresença das redes sociais para apresentar suas propostas. Freitas Júnior, candidato ao Governo do RN, pela Rede, tem 31 anos e é o mais jovem entre os postulantes ao Poder Executivo estadual.

Se não houver pelo menos a tentativa, os jovens nunca ocuparão espaços significativos no cenário político. Que tenhamos cada vez mais opções. Que eles se tornem opções.