Mossoró deve continuar registrando chuvas ao longo da semana, afirma meteorologista

De acordo com José Espínola, precipitações registradas na cidade são provocadas por frentes frias vindas da região Sul do país.

Foto: Maricelio Almeida
Foto: Maricelio Almeida

Por Maricelio Almeida/DeFato.com

Os mossoroenses têm sido surpreendidos com chuvas isoladas neste início de mês de dezembro. E a previsão é que nos próximos dias elas voltem a ocorrer. Mas não há motivos para comemorar, ainda. De acordo com o meteorologista José Espínola, da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), as precipitações registradas na cidade ao longo dos últimos dias não representam a chegada do período invernoso. São chuvas passageiras, isoladas, mal distribuídas e de pouca intensidade, provocadas por frentes frias vindas da região Sul, explica o especialista.

"Essas primeiras chuvas de dezembro são provocadas por fenômenos que não garantem o início do período chuvoso. São áreas de frentes frias que vêm do Sul do Brasil, que estão conseguindo adentrar no Nordeste provocando chuvas e os Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis (VCAN) da atmosfera, que também se formam nessa época. Esses sistemas conseguem trazer umidade da Amazônia para cá, mas são passageiros, daqui a uma semana, 10 dias, eles podem ter desaparecido", destaca Espínola.

Segundo o meteorologista, os sistemas vindos do Sul do Brasil têm provocado chuvas principalmente nos estados do Maranhão, Piauí, Oeste do Ceará, da Paraíba e Pernambuco. "Alguma coisa chegou aqui pelo Rio Grande do Norte. A previsão é que as chuvas permaneçam por pelo menos mais quatro, cinco dias. Vamos esperar novamente que cheguem outras frentes frias, se formem outros vórtices, não há como prever com muito tempo de antecedência", diz.

De quinta-feira, 6, até esta segunda, 10, Mossoró contabilizou cerca de 27 milímetros de chuvas, conforme registro da Estação Meteorológica da Ufersa. "As precipitações já chegam fracas aqui", acrescenta José Espínola, explicando que o período chuvoso aqui da região contempla os meses de fevereiro a maio.

"As chuvas se concentram entre março e abril. Ainda está cedo para as previsões de 2019. Na metade de janeiro teremos uma configuração melhor. Não existe previsão de seca para o próximo ano, mas também não existe previsão de um inverno muito rigoroso, estamos trabalhando no momento com a previsão de chover em torno da média", conclui.

Chuvas no RN

De acordo com o Boletim Pluviométrico divulgado pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), de sexta-feira, 7, até esta segunda, 10, o maior volume de chuvas no estado foi registrado no município de Água Nova, região Oeste, com 36 milímetros, seguido de Coronel João Pessoa (26,8 mm); Campo Grande (25,4 mm); Riacho de Santana (25 mm) e Alto do Rodrigues (23,7 mm).