Guarda Municipal vai atuar em 38 locais de votação

Efetivo de quase 50 agentes estará à disposição neste sábado, 6, e no domingo, 7; trabalho se dará em parceria com demais forças de segurança

Foto: Secom/PMM
Foto: Secom/PMM

Da Secom/PMM

A Secretaria Municipal de Segurança Pública confirmou a presença da Guarda Municipal de Mossoró no plano de segurança das eleições gerais de 2018. Um efetivo de quase 50 homens vai atuar na segurança dos eleitores e dos locais de votação no sábado (6) e no dia do pleito, que acontece no domingo (7).

O secretário de Segurança Pública, Sócrates Vieira, enfatizou que essa não é a primeira vez que a Guarda Civil Municipal atua compondo as forças de segurança, garantindo a tranquilidade e a ordem. "Mais uma vez nosso efetivo vai trabalhar com as demais forças de segurança pública, empenhados em garantir um processo eleitoral tranquilo e sem maiores transtornos para a população", comentou.

De acordo com o comandante da Guarda Civil Municipal, Rudrigo Maia de Carvalho, o plano de operações da GCM foi definido em conjunto com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e as forças de segurança (Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal e Agentes de Trânsito Municipal).

O plano prevê a participação de um efetivo de cerca de 50 homens que vão atuar no patrulhamento das zonas eleitorais da cidade. A GCM vai garantir a segurança em 38 pontos de votação que vão funcionar em prédios municipais, zelando pela segurança dos eleitores. "Além dos locais de votação, as viaturas da Guarda Civil de Mossoró vão realizar a ronda ostensiva na cidade", destacou Carvalho.

Os principais locais de votação que contarão com a segurança da Guarda Civil Municipal estão distribuídos na 33ª e 34ª Zona Eleitoral. Um efetivo de 15 homens atuará na 33ª zona e outros 11 farão a segurança nas sessões da 34ª Zona Eleitoral, totalizando 26 agentes fazendo a guarda dos locais de urna. "Na parte ostensiva, teremos mais de 18 homens circulando com seis viaturas, servindo de reforço aos agentes e as outras forças de segurança", explicou Rudrigo Carvalho.