Dia Mundial sem Tabaco: pneumologista explica relação entre cigarro e câncer

Hábito também é prejudicial para quem convive com fumantes e inala substâncias tóxicas com frequência.

Foto: Pixabay
Foto: Pixabay

Da Assessoria/Hapvida

No dia 31 de maio é celebrado o Dia Mundial sem Tabaco. O fumo é considerado umas das principais causas do câncer. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Brasil, o tabagismo é responsável por 90% dos casos de câncer no pulmão e por 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer.

O tabaco pode afetar as pessoas de diferentes formas, mas a mais comum é por meio do cigarro. Porém, vale ressaltar que o uso de charuto, cachimbo, narguilé e cigarros eletrônicos também é danoso à saúde e está diretamente ligado ao câncer.

O pneumologista do Hapvida, Jorge Benevides, explica a transformação que o tabagismo causa no corpo humano. "O pulmão é uma estrutura anatômica que não foi criada para receber substâncias tóxicas. As vias respiratórias suportam um calor no entorno de 70°. Uma tragada de cigarro, além de ter uma temperatura acima de 120°, leva consigo mais de 2.500 substâncias tóxicas ou cancerígenas. Com o decorrer dos anos, esse calor e essas substâncias vão mudando as células do órgão gerando os mais variados tipos de câncer", comenta.

Existem diversas orientações para quem deseja parar de fumar que incluem mudança de hábitos alimentares e práticas de exercícios físicos. Benevides alerta para a importância do acompanhamento profissional para superar este obstáculo. "Sem ajuda médica, sem ajuda de um grupo multidisciplinar, as coisas se tornam mais difíceis porque a agressão ao corpo e ao cérebro é devastadora", completa.

E o risco não atinge apenas os fumantes. A fumaça do cigarro pode prejudicar e aumentar a probabilidade de desenvolvimento de câncer também daqueles que convivem com fumantes e acabam inalando substâncias tóxicas. Segundo a Fundação do Câncer, inclusive, crianças que convivem com pais fumantes adoecem mais de infecções respiratórias e aumentam as chances de se tornarem fumantes no futuro.