Câmara obtém mais prazo para comerciantes permanecerem no Vuco-vuco

Notificação para retirada dos ambulantes está suspensa até a próxima segunda-feira, 26.

Foto: Edilberto Barros/CMM
Foto: Edilberto Barros/CMM

Da Assessoria/CMM

A Câmara Municipal de Mossoró solicitou à Prefeitura suspensão, até segunda-feira (26), da notificação para retirada de grupo de comerciantes do Mercado do Vuco-vuco. O encaminhamento foi feito na sessão itinerante (Câmara Cidadã), nesta quarta (21), na Escola Estadual Dr. Ewerton Dantas Cortez (bairro Planalto 13 de Maio).

A solicitação foi o desfecho de série de pronunciamentos dos vereadores e de reunião com comerciantes atingidos pela medida. "Telefonamos à secretária Kátia Pinto e pedimos esse prazo até segunda-feira, para uma conversa com a Prefeitura em busca de solução", informa a presidente da Câmara, Izabel Montenegro.

O prazo foi pedido, segundo o vereador Alex Moacir (MDB), líder do Governo na Câmara, porque a prefeita Rosalba Ciarlini e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Layre Rosado Neto, estão viajando. "A Prefeitura não se nega a dialogar. Vamos marcar conversa assim que eles retornarem a Mossoró", assegurou.

Debate

A defesa da reconsideração da imediata retirada de ambulantes do Vuco-vuco e das proximidades da Universidade Potiguar (UnP) dominou a maior parte da sessão itinerante. A série de discursos começou com o vereador Rondinelli Carlos (PMN), que exigiu solução urgente para não prejudicar os comerciantes.

"É inadmissível que o Poder Executivo trate dessa forma. Esses comerciantes só querem um local para trabalhar, para ganhar o seu sustento. Em uma época de crise, em que não há geração de empregos, não podemos permitir a retirada desses comerciantes", disse o parlamentar, no pequeno expediente da sessão.

O vereador Manoel Bezerra (PRTB) alertou para o desemprego em Mossoró, causado pela crise que atinge o Brasil, e se posicionou a favor da permanência dos comerciantes. "São trabalhadores que estão tentando ganhar o sustento de forma honesta", disse.

Vereadores reforçam necessidade de diálogo

Na sequência de discursos na tribuna, a vereadora Isolda Dantas (PT) defendeu que a Prefeitura de Mossoró receba comissão de vereadores e comerciantes do Vuco-vuco, para discutir a remoção de ambulantes do mercado. "Esse assunto precisa ser melhor discutido com todas as partes envolvidas", posicionou-se.

A parlamentar externou preocupação de outros ambulantes, instalados no Centro, de que também poderão ser removidos. "Fui procurada, e eles estão apreensivos que essa remoção possa acontecer aos poucos, fracionada, começou pela UnP, passa pelo Vuco-vuco e poderá chegar ao Centro", contou.

Apartes

Outros vereadores participaram do discurso de Isolda Dantas. O vereador Rondinelli Carlos defendeu que a liderança do Governo marcasse uma audiência com a prefeita Rosalba Ciarlini. "Só conversando com a prefeita é que os comerciantes permanecerão no Vuco-vuco até outra decisão", vaticinou.

Na sequência, na tribuna, a vereadora Sandra Rosado (PSB) informou já ter encontrado encaminhamento para os ambulantes da UNP, e está em contato com a Prefeitura também sobre o Vuco-vuco, com as duas secretarias envolvidas (Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente).

"Estou fazendo esse trabalho desde ontem, até altas horas, fazendo aquilo que me comprometi com vocês. Trabalho para que vocês (comerciantes) tenham espaço para desenvolver o trabalho de forma adequada. E a melhor forma para isso é a construção do o dialogo, e estamos avançando nesse sentido", disse Sandra.

União de bancadas no Legislativo permite acordo

O vereador Alex do Frango defendeu união das bancadas na Câmara (oposição e situação) para encaminhar uma saída, no sentido de "suspender a retirada até encontrar outra solução". O vereador Petras (DEM) apoiou a proposta, como a presidente da Câmara, Izabel Montenegro (MDB).

Também reafirmaram apoio à causa dos comerciantes, em apartes ao discurso de Isolda Dantas, os vereadores Raério Emídio (PRB), Ricardo de Dodoca (Pros) e Manoel Bezerra de Maria (PRTB).

O consenso entre as bancadas permitiu a suspensão da sessão para ouvir comissão de comerciantes, presente à Escola Ewerton Dantas Cortez, e o diálogo telefônico, com representantes da Prefeitura, que resultou no pedido de mais prazo ao Executivo.

Respeito às leis

Na sua fala da tribuna, Izabel Montenegro também hipotecou apoio aos comerciantes e pediu mais tempo para o diálogo com a Prefeitura, já que a prefeita Rosalba Ciarlini (DEM) está viajando. "Sem desmerecer os secretários envolvidos, mas precisamos considerar a questão de hierarquia na Prefeitura", ponderou.

A parlamentar também defendeu o trabalho dos comerciantes informais de Mossoró, mas com respeito ao ordenamento jurídico, como o Estatuto das Cidades (lei federal) e Plano Diretor (lei municipal). "Estou com vocês, mas dentro da legalidade, porque não podemos passar por cima das leis", ressalvou.