Apagão causa transtornos a mossoroenses; Uern cancela aulas

ONS informou que problema foi ocasionado por falha em disjuntor instalado na Subestação Xingu, no Pará

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

O apagão registrado na tarde/noite desta quarta-feira, 21, em estados do Norte e Nordeste do país provocou uma série de transtornos aos mossoroenses. Nas principais avenidas da cidade, o trânsito ficou caótico. Escolas liberaram seus alunos mais cedo, estabelecimentos comerciais fecharam às portas e postos de combustíveis ficaram sem funcionar durante o período sem energia.

A interrupção do fornecimento teve início às 15h48, quando uma perturbação no Sistema Interligado Nacional (SIN) causou o desligamento de cerca de 18.000MW, majoritariamente localizados nas regiões Norte e Nordeste, correspondendo a 22,5% da carga total do SIN naquele momento.

No Rio Grande do Norte, o reestabelecimento do fornecimento de energia elétrica começou a ser feito de forma gradativa das 17h48, de acordo com as orientações do Operador Nacional do Sistema (NOS). Quando a energia retornou, filas de veículos se formaram em postos de gasolina. Em algumas regiões da cidade, como o Costa e Silva, o fornecimento voltou a ser interrompido por volta das 19h, retornando aproximadamente às 20h30.

Devido ao problema, a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern) informou que as aulas da noite desta quarta-feira, 21 estavam suspensas, medida de segurança proposta pela empresa que presta o serviço a universidade.

Queda foi causada por falha em disjuntor no Pará

A queda no fornecimento de energia para as regiões Norte e Nordeste foi causada por falha em um disjuntor na Subestação Xingu, no Pará, responsável pela distribuição da maior parte da carga gerada pela Usina de Belo Monte para a Região Sudeste. A informação foi divulgada pelo diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Eduardo Barata Ferreira.

De acordo com Ferreira, mais de 70 milhões de pessoas foram afetadas. As causas da falha no disjuntor estão sendo investigadas, mas o ONS descartou sobrecarga no sistema, fatores climáticos ou queimadas. Com o desligamento do disjuntor, "houve um excesso de geração" para a Região Norte. Isso disparou uma proteção automática em todo o sistema, separando a região Norte da Nordeste e as duas do resto do país.

Com informações da Agência Brasil