Psicomotricidade na escola: conheça os benefícios para o corpo e a mente das crianças

No Instituto Educacional DóRéMí (IED), por exemplo, as aulas acontecem desde o berçário.

Foto: Cedida
Foto: Cedida

Em um mundo cada vez mais virtual, com as crianças tendo acesso a tecnologias de forma quase que instantânea, reservar tempo para cuidados com o corpo e a mente dos pequenos não é uma tarefa fácil. É nesse contexto que a escola exerce um papel indispensável. Muito mais do que apenas oferecer as tradicionais aulas de Educação Física, algumas unidades de ensino têm buscado formas de contribuir com o desenvolvimento psicomotor e da consciência corporal das crianças, através de atividades como a psicomotricidade.

A palavra "psicomotricidade" vem do termo grego psiché = alma e do verbo latino moto = mover frequentemente, agitar fortemente. A atividade está relacionada com o processo de maturação, no qual o corpo é a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas, sendo sustentada pelo movimento, intelecto e afeto, como explica a professora Bruna Larissa:

"São atividades que desenvolvem o corpo e a mente das crianças. O trabalho da educação psicomotora busca uma formação de base, indispensável no desenvolvimento motor, afetivo e psicológico das crianças", destaca Bruna, que é especialista em educação física escolar e trabalha a psicomotricidade em unidades como o Instituto Educacional DóRéMí (IED).

As aulas de psicomotricidade, revela Bruna, utilizam elementos da Educação Física com a intenção de proporcionar os benefícios adequados às crianças. "Todas as atividades visam melhorar a aptidão física da criança, a socialização, criatividade, etc. São desenvolvidas ações como engatinhar, rolar, correr, se equilibrar, andar, subir, descer", acrescenta a professora.

Elementos como bolas, cones, cordas, bambolês, colchonetes, entre vários outros, auxiliam no processo, ressalta Bruna Larissa. "As aulas acontecem tanto em sala, com também na área de lazer da escola. É importante frisar que os alunos são avaliados de forma individual e coletiva", afirma.

A recreação e ludicidade também fazem parte das aulas, proporcionando uma maior eficácia na aprendizagem, já que é através da brincadeira que a criança começa a descobrir o seu espaço, os movimentos. "Promovemos circuitos, brincadeiras, recreação com músicas, entre outras atividades", complementa a professora Bruna Larissa.

Especialistas destacam que é preciso estar atento ao desenvolvimento psicomotor da criança, pois se houver atraso nesse processo, pode haver prejuízo em todo o desenvolvimento e aprendizado da criança na escola. E não há uma idade mínima para que os elementos da psicomotricidade sejam aplicados. No Instituto Educacional DóRéMí, por exemplo, as aulas acontecem desde o berçário.

"A atividade física deve ser um hábito durante toda a nossa vida, pois em cada fase exerce um papel fundamental na formação do indivíduo. Essa educação precisa ser estimulada muito cedo, em crianças de qualquer idade, mas levando em consideração as limitações de cada aluno, em cada faixa etária", explica Bruna Larissa.

De acordo a pedagoga Renata Wele, diretora do Instituto Educacional DóRéMí, a educação psicomotora tem trazido resultados satisfatórios. "A escola sempre vem trabalhando com a psicomotricidade, principalmente no Berçário e na Educação Infantil. Percebemos uma evolução nos alunos, que não se resume apenas a uma maior consciência corporal, mas que passa pela socialização, pelas relações interpessoais", ressalta a educadora.

SAIBA MAIS

A educação psicomotora é uma educação global que associa as potencialidades intelectuais, afetivas, sociais e motoras da criança, dando-lhe segurança, equilíbrio e permitindo o seu desenvolvimento, organizando corretamente as suas relações com os diferentes meios em que deve evoluir.

Refere-se a uma formação de base indispensável a toda a criança, pois responde a uma dupla finalidade: assegurar o desenvolvimento funcional, tendo em conta as possibilidades da criança, e ajudar sua afetividade a expandir-se e a equilibra-se através do intercâmbio com o ambiente humano.

Fatores da Psicomotricidade

São sete os fatores da Psicomotricidade, os quais, por meio de vivências práticas, o professor trabalha para estimular em seus alunos um desenvolvimento completo e equilibrado:

- Tonicidade: função de atenção e alerta, pois é por meio da percepção dos estados do corpo (contraído, relaxado) que se controlam as demais atividades motoras;

- Equilibração: questões posturais, capacidade de manter-se em equilíbrio estático (parado) ou dinâmico (em movimento), condição básica da organização psicomotora;

- Esquema e imagem corporal: percepção objetiva do corpo e de seus segmentos (cabeça, tronco, membros), a imagem corporal, a avaliação subjetiva que a criança faz de si em relação às demais;

- Orientação espaço-temporal: compreensão do mundo estruturado em espaço e tempo, compreensão do aqui e do agora, definidos em oposição ao ali, ao antes e ao depois, e a capacidade de organizar-se no espaço e no tempo para assumir o controle das tarefas da vida diária;

- Lateralização: subdividida em lateralidade, que é a consciência dos dois lados do corpo e do mundo que o cerca, e dominância lateral, que é a preferência por um lado do corpo para executar atividades motoras (escrever, arremessar, chutar) com mais qualidade, força, precisão, velocidade e coordenação, o que diferencia o destro do canhoto.